Valor Divino do Humano - Jesus Urteaga Lodi

Compreendi a frialdade dessas almas quando senti no meu íntimo aquele repto que refletiam os olhos dos pagãos: “Demonstrai-nos com vossas vidas que Cristo vive!”.Valor Divino do Humano - Jesus Urteaga Lodi

quinta-feira, 19 de abril de 2018

O que um filme pode ensinar


No filme MUCIZE baseado numa história real, um professor destacado para ensinar numa aldeia perdida no meio das montanhas, nos dá um exemplo do verdadeiro educador.

Numa sequencia do filme as crianças hostilizam um rapaz apenas pelo fato de ser deficiente. 

A atitude do professor é rápida, e com suavidade mas enérgico proíbe às crianças a tornar a incomodar o rapaz. Seguidamente o inclui na turma para estudar junto com os outros alunos.

Que belo exemplo para muitos dos atuais professores "diplomados" ensinando até em escolas caras e luxuosas, onde a hostilização de alunos é apenas nomeada com uma palavra sofisticada "BULLYING" e mais nada. Não se ensina que o colega deve ser respeitado pelo simples fato de ser um "SER HUMANO" mesmo que seja "DIFERENTE".

Depois assistimos às notícias de crianças e adolescentes se suicidando por causa do bullying na escola como se fosse algo ruim porém inevitável.

O professor do filme nos ensina que não é assim.

Quem é o verdadeiro educador? Aquele que ensina a ler e escrever ou aquele que também ensina  valores para a vida?

sábado, 11 de março de 2017

NOSSAS ESCOLAS ENSINAM OU APENAS INSTRUEM?

A tarefa de educar é mais ampla que a simples informação de assuntos de história, geografia, matemática, línguas, etc.
A educação visa FORMAR o indivíduo na sua totalidade para que esteja apto para a vida em sociedade e o desenvolvimento de todas as suas capacidades.
Será que nossos educadores formam nossos filhos ou apenas lhe fornecem todas as informações constantes no currículo do Ministério da Educação?

Um tempo atrás estava na sala de espera do hospital da minha cidade acompanhando um doente e chamou-me a atenção a música forte que enchia todo o recinto. Perguntei ao atendente como poderia ser que um hospital onde se deve guardar silêncio tivesse uma música nesse volumem. A resposta foi: “é a escola na outra quadra que está de festa”.

Cabe a pergunta: nessa escola o ensino dos “direitos humanos” se vivencia ou apenas mandam decorar a Declaração dos Direitos Humanos? Cidadania se restringe a decorar forma de governo, mexer na maquininha do voto ou se ensina o “respeito ao cidadão”?

Pelo visto é só decoreba!! Se a própria diretoria da escola não respeita o hospital que tem a 50m, como pode “educar no respeito” aos seus alunos?

Que tipo de “educação” receberam os alunos nesse dia de festa?
O (a) diretor(a) da instituição poderia ter dado uma chave de ouro ao evento e realmente “educado na cidadania” se tivesse falado aos alunos: “hoje estamos em festa, mas temos um hospital aqui perto, então vamos colocar a música baixinho para nos divertir sem incomodar os doentes que precisam de silêncio”. Isso é EDUCAÇÃO. Ao contrário o que a escola ensinou nesse dia foi o desrespeito, o “faço o que eu quero e os incomodados que se mudem”.

Serão esses alunos os que mais tarde vão comprar um som com volume para um ginásio e coloca-lo na sala de 12m2 no último volumem obrigando o prédio todo, ou a vizinhança toda a “aturar” sua música.

São esses alunos que vão comprar um som automotivo (paredão) e sair pela cidade toda invadindo as casas com o som sem se importar se tem pessoas que trabalham a noite e precisam dormir de dia, se tem pessoas doentes, idosas ou bebês, nada lhes importará, apenas o seu ego. Se na minha escola o som era do jeito que queríamos por que não posso fazer o mesmo na MINHA casa, no MEU carro...?

Um eu que não tem limites, “se EU quero então EU posso”, era assim na escola...

Mais tarde esses alunos serão empresários, servidores públicos, governantes, e que legado levam para o desempenho das suas atividades? O ensino da escola: “faço o que eu quero e os incomodados que se mudem”.


Podem então nos surpreender as notícias do jornal?